Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




party all night sleep all day

por Cheryl, em 30.11.12

À muito tempo que tal não acontecia!

Bem, em relação à apresentação dos padrinhos e afilhados: correu muito bem! Fomos apresentados por cursos e caloiro por caloiro. E, em cada um, o conselho de veteranos perguntava ao colher se éramos caloiros assiduos no GTA. Em social, se bem me lembro, fui a única que levou um "sim" sem "mas vem poucas vezes" ou "podia aparecer mais". E aí vi que a minha madrinha ficou contente.

Ao sair do GTA, entrava o curso seguinte e nós íamos para os jardins falar com as madrinhas. A minha disse-me que, apesar de eu ir frequentemente ao GTA, tinha de ir mais e mais. Disse-me também para ser uma melhor caloira que ela e que não iria à festa dessa noite e, como tal, teria eu de me divertir pelas duas! E assim fiz, até às 6h da manhã.

Durante a festa, uma doutora da turma dela (madrinha de uma amiga minha) veio ter comigo e disse-me "avestruz: o que é que gostava de dizer à sua madrinha agora?" e eu respondi "Que ela vai ser a melhor madrinha do mundo e que me faz muita falta aqui na festa!". Ela escreveu isto no telemóvel, mostrou-me e enviou-lhe *.*! Fiquei toda babada!

Depois uma caloira veio chamar-me a dizer que o meu "avô" de praxe andava à minha procura. Já sabia eu porquê e lá fui cheia de medo! Mais uma vez, ele pediu-me a praxe dele, que era descobrir os 11+1 afilhados da madrinha dele. E eu só sabia 1+1. Fui à veterana perguntar-lhe mas ela não me disse e perguntou-me porque é que eu queria saber. O meu avô riu-se e disse "diga-lhe!". E lá lhe pedi eu para fazer parte da sua família. Ela riu-se e mandou-me descobrir através de outras pessoas que estivessem na festa. Perguntei a outro veterano e ele disse que não me dizia, mas que me dava uma pista: "Um dos afilhados da veterana já foi colher da escola." Fui ter com o colher atual e ele ficou lá a pensar, pensar até que descobriu e me disse! Já tinha três. Fui dizer à veterana e ela, com sorriso, disse que só faltava mais um. Desta vez decidi perguntar a uma "tia" minha de praxe que lá estava e ela disse-me que não me podia dizer. Expliquei-lhe que era uma questão de vida ou de morte(!) e fiz beicinho e ela acabou por me dizer, acrescentando "Ai de si que diga que fui eu!". E eu garanti-lhe que não diria. Mais uma vez, fui ter com a veterana e disse-lhe! Missão da noite dada como concluida!

Mais... Sendo eu quem sou, na mesma noite, consegui: entornar um fino de um exmo. dr., deixar cair um cigarro de uma exma. veterana... enfim! Comprei-lhe um fino e a ela arranjei-lhe um cigarro (embora não lho tenha dado porque nunca mais a vi). Quando fui entregar o fino, o exmo. dr. chamou-me à parte e disse "Não gosto nada de fazer estas coisas, mas o fino não era meu. Eu só tinha pedido para beber um bocadinho. E você deixou-o cair. Desculpe tê-la feito pagar um.". Não sei porquê, mas estas palavras mexeram comigo e comecei a chorar desalmadamente. Mas passou! As outras caloirinhas são amorosas e ficaram lá comigo, super preocupadas!

Às 6.15h começámos a vir embora e cheguei a casa as 7h, dormindo até às 16h.

E foi isto :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:55

Pág. 1/13



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D